Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

http://cisosemjuizo.blogs.sapo.pt

"Louco? Loucos são os Loucos que me chamam Louco mas que não conseguem ver a genialidade da minha Loucura!"

http://cisosemjuizo.blogs.sapo.pt

"Louco? Loucos são os Loucos que me chamam Louco mas que não conseguem ver a genialidade da minha Loucura!"

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Formas!

por Narciso Santos, em 23.02.17

A forma tem vida própria mesmo quando somos nós a dar-lhe o sopro vital da criação mesmo quando ainda é ideia, assim já é existência, numa acção de criar e de se recriar o processo é repetitivamente eterno, num mecanismo vital somos montados ensacáveis vezes e montamos o imaginável, e imaginamos ser o novo… quando apenas somos os mesmos, somos a ínfima parte de um ponto do início e do fim do mesmo ponto da parte de algo grandioso, somos pura pretensão, matéria cíclica surgida de necessidades circunstanciais, seres circunstanciais de almas recicláveis… não há fuga nem direito a desistências, apenas condição, tanto para o prazer durável enquanto vida, ou desesperos se os olhos da mente não enxergarem os jardins em roseiras á nossa frente… há escolha? … mas falta bom senso… tempo e espaço… a forma é bela mesmo na sua repulsiva “feiura”, mesmo no breu , mesmo solitária, é o outro lado da moeda e o mesmo, é o próprio, sempre é forma , sempre é .... e isso é tudo, incansavelmente vital a nós: formas...


Curiosidades das minhas Raízes!

por Narciso Santos, em 20.02.17

Como sempre referi, se quisermos saber para ond queremos ir, nunca devemos esqueçer o nosso passado, e o meu passado e as minhas raízes foram, são e serão  sempre edificadas por esta comunidade píscatória de Vila do Conde e Póvoa de Varzim e faço questão que a pequenada também não se esqueça de onde eles também pertençem, daí que todos os sábados de manhã me desloque á Doca de Povoa de Varzim para eles verem o seu Avô a trabalhar, para verem a vida árdua que os seus conterrâneos levam e para sacarem umas gomas no café da lota.

20170218_112318.jpg

Como o nome indica do barco onde o meu Pai trabalha o que peço é que sempre encontrem o Caminho para porto seguro e que façam sempre boa viagem.

20170218_112328.jpg

Simplesmente pessoas únicas, verdadeiras e de RAÇA!

20170218_112407.jpg

20170218_115402.jpg

 Este é o Nero o único cão marinheiro que existe em Portugal e no Barco do "Caminho da Boa Viagem". A Asae foi uma vez ao barco e disse que não poderiam ter um cão no mesmo, pois era anti-higiénico, e este barco sempre teve um cão que faz parte dos "camaradas" e lá o mestre do barco mostrou toda a documentação e  o Nero está de facto inscrito como tripulante do "Caminho da Boa Viagem" tem cédula maritima, só que ganha em "frangos assados" o seu salário, não sei se irão obrigar o "Nero" a validar facturas, a pagar IRS e fazer descontos para a Segunrança Social...

NS

Achando eu que o meu blog estava a ser demasiadamente apelidado de Fofinho, de Lindinho e de Fofucho (muito gosto de usar triplas adjectivações) eis que… Tcha ra ra ra… Vou ir na onda do meu amigo Plumoso e falar de sexo, sim essa coisa que eu não entendo como ele entende, por isso irei manter-me mesmo no que entendo, na linguagem e nas “legendas”… Papagaio podes me acusar de plágio sem problema nenhum, e lá pagarei uns sacos de Alpiste para te ressarcir dos prejuízo que te causei, ou poderá vir a causar…

Isto de sermos globais, está a dar cabo de mim!!! O mais estúpido é que fomos nós com a porcaria dos descobrimentos que iniciamos esta Aldeia Global, com as nossas naus por esses mares fora, e com um sentido de orientação fantástico, Ei chega-mos á India… Ups afinal isto é o Brasil, foi só um desviozinho… Mas adiante…

Qualquer sítio onde vou, apanho sempre uma nacionalidade diferente. Se paro nos semáforos apanho uns romenos (não tenho nada contra romenos) a pedir esmola, se passo numa obra apanho africanos (não tenho nada contra africanos), se vou a casa de alguém com empregada doméstica apanho russas (não tenho nada contra russas e menos ainda porque deve ser um acaso as ditas empregadas serem Helicopteros “giras e “v”oas) e se ligo o canal intimo aprendo espanhol (isto sim é de valor)!

É mesmo sobre o espanhol que quero falar, pois a tese é em Santiago de Compostela e um tipo tem que arranhar o “Portunhol”...Não admira que o espanhol seja cada vez mais a nossa 2ª língua (qual “des”acordo ortográfico, qual quê), imagino a audiência desse canal, afinal não é todos os dias que aprendemos duas coisas ao mesmo tempo: sexo e espanhol!

Mas como não há bela sem senão, apercebi-me que não consegui aprender bem nenhuma das coisas... Porque ou concentro-me demasiado na imagem e esqueço o som, ou então não ligo à imagem e fico-me pelo som. Acontece que isso dá-me mais vocabulário, mas é repetitivo: "más fuerte", "qué tet…", "ch”p$-mé el mamilo", "siente mi C#$%", "oh si. que grandioso", “si a ti te gusta a mi me encanta” perdoem-me mas não sei escrever nem em português imaginem em espanhol... Agora como aplico estes conceitos importantes na minha vida académica em Espanha, complicado…

Um gajo vai a Espanha e diz o quê: "olá queria um gelado de cone!", só quando ela te vier entregar é que pode-se dizer:" oh si, que grandioso!" ou se ela for boazona podes sempre dizer "qué tetones!". É claro que para poderes usar esta frase tens que estar numa boa forma física, para poderes correr sem que ela te apanhe!
Ou vou a um Wook peço uma massa a qual me perguntam, “muito ou pouco picante”, eu logo, tumbas: “más furte” e levo com piripiri que me faz transpirar e correr lágrimas pelos olhos, e a empregada lá vem e pergunta “que tal está?” Eu sem demora: “se a ti te gusta a mi me encanta”.

Chego a universidade e lá estou reunido com a Orientadora supra Suma que me diz que a tese está toda uma porcaria e que tenho que refazer tudo de novo e o que me resta dizer-lhe, a não ser: “vai tomar en el C$%&” mas não o posso dizer senão é chumbo puro e duro, e penso:” "Estoy jodido”…

Acho que o vocabulário é mais ou menos este e que ajuda a cada viagem que faço a Espanha. Confesso que não consegui ainda aplicar o “el mamilo” mas espero que um dia a vida me permita usar esta “frase”.

E aqui está um post parvo, grande e sem utilidade nenhuma. As influências do tipo de “penas” dá nisto. Eu provavelmente é por causa do enxofre de Setúbal que chegou até aqui e queimou-me algum fusível…

Ciso Out


Luz / Escuridão

por Narciso Santos, em 16.02.17

Sabemos que a mais pequena coisa pode mudar a nossa vida.

Em um piscar de olhos, algo acontece por acaso, quando menos esperamos...

...Coloca-nos em um rumo que nunca planeamos...

... Em um futuro que nunca imagina-nos.

Onde isso nos leva?

Nada mais, nada menos, que a jornada das nossas vidas.

A nossa busca da luz.

Mas às vezes...

... Encontrar a luz significa que devemos atravessar a escuridão mais profunda.

… Ás vezes é na escuridão mais profunda que encontramos a esperança

Pelo menos, foi, é e tem sido assim para mim...


Geometria

por Narciso Santos, em 15.02.17

Não gosto de figuras geométricas. De linhas contínuas e perfeitamente delineadas a régua e esquadro. Gosto do improvável. Do imprevisto. De linhas curvas. Detesto triângulos. Um dos vértices acaba sempre magoado. Ou então todos. Prefiro linhas sem destino que caminham juntas ou separadas, mas sem uma direcção pré-definida. Gosto de encontros. De desencontros que redundam em desilusões, mas que nos contam uma experiência feita de lágrimas e desesperanças. Prefiro tudo isso a viver amarrado a uma figura geométrica. Como um triângulo em que um dos vértices acaba magoado. Arrisco sair da segurança da desilusão e da tristeza para novas aventuras. Fora do triângulo. E fora de qualquer figura geométrica, rumo ao imprevisto. Ao futuro. Das linhas curvas. Aos encontros e desencontros... 

Bem já que estamos no "Ballentines" e estou outra vez longe, resta-me tentar chegar ao meu Mulherio desta forma "isto para dar uma de macho man" pois sei que são aos milhões a ler-me em frente ao ecrã. Não há dinheiro para chocolates (também ainda tenho uns kilos valentes do Natal) não há dinhero para flores (pois nesta altura do ano (não) sei porquê ficam estupidamente caras (já agora é permitido colocar parentesis dentro de um parentises?). Comprar peluches sim, pois é uma forma de ficar viúvo dado as alergias que tens a poerias e sei lá a mais o quê. Escrevia isto num postal manuscrito, mas tens dificuldades em perceber a minha letra e não estou aí para traduzir. Por isso fico pelo baratinho que me custa só a electricidade que gasto no computador, o neurónio que ficará parcialmente queimado, e o meu tempo, que isso tenho para dar e vender, aqui... onde me encontro... a comer massa com atum... só para perceberes onde fui buscar a inspiração para isto!

 

Eu queria escrever-te uma carta amor,

uma carta de confidências íntimas,

uma carta de lembranças de Ti,

de Ti


Eu queria escrever-te uma carta amor,

que recordasse os nossos tempos na escola,

as nossas tardes “perdidas” no deleite das nossas praias

que recordasse o sol que nos caía e eu sempre a fugir dele

o luar no Caximar a olhar o mar e as estrelas sem fim

que recordasse a loucura da nossa paixão

e a amargura da nossa breve separação...

 

Eu queria escrever-te uma carta amor,

que a não lesses sem suspirar

Algo que a tua alma chorona... não te fizesse chorar

que a escondesses do G ...

que a sonegasses do L ...

Sim estes pequenos enormes Seres que nos completam

(Um dia poderão ler)

que a relesses, que a guardasses, que a cravejasses no peito

Sei que não cairá em esquecimento

uma carta que em todo o Mundo

outra a ela não tivesse merecimento...


Eu queria escrever-te uma carta amor,

uma carta que ta levasse o vento que passa

uma carta a levasse o polém

uma carta que a levasse o Oceano

Sim tentarei envia-la através de uma garrafa e lançá-la

Chegará até a Ti

que os peixes e os mamíferos

pudessem entender

te levassem puras e quentes

as palavras ardentes

as palavras magoadas da minha carta

que eu queria escrever-te M....

Eu queria escrever-te uma carta...

Mas ah minha M,

eu não sei compreender

por que é, por que é, por que é...

que tu não sabes ler

e eu

- Oh! Desespero! - não sei escrever também.

P.S. Mas tenho sempre a Faixa 6 - Bryan Adams "MTV Unplugged" para me ajudar... Mas o título é agora: (When you love "Someones")


Até Mais meu Amigo!

por Narciso Santos, em 13.02.17

 

Captura de ecrã 2017-02-11, às 10.27.57.png

 

São frases! São frases onde encontrei dor, onde escondi saudade... onde as coisas mais belas tinham forma de monstros, e as princesas não eram mais que bruxas disfarçadas... são noites perdidas, na solidão, na vasta solidão que é ser romântico, e gostar de escrever sobre a dor, e toda a magoa, que o apregoado mais belo sentimento do mundo traz... noites em que precisava de alguém, hoje, aqui... tão só…tão perto…tão longe…
Sem dúvida que são frases tristes, de um meu eu tristes, desiludido com a vida, de um meu eu, que tem os sonhos mais belos e por eles salta ravinas e se afunda nos mais dolorosos precipícios... acho que é isto que é ser sonhador, e negar toda a felicidade que a vida lhe deu, julgar que nunca poderá ser feliz, negar o amor que recebe dos amigos, julgar-se sozinho... e aí na solidão do silêncio sonhar com as coisas mais belas do mundo...
Porque é na dor que os meus sentidos estão mais puros... porque é na dor que a clarividência é maior...porque é na dor que alguém partiu tão cedo… alguém que admirava o meu “grupinho” como o Afonso lhe “apelidou”…
Nenhum Pai / Mãe deveria assistir á “partida” precoce do seu filho / filha.
Porque a dor não nos leva a lado nenhum... temos que continuar a batalhar todos os dias, e no futuro mais longínquo nos encontrarmos todos e perguntarmo-nos:
O que aproveitamos da Vida? Vivemos ou sobrevivemos? Fomos felizes ou Miseráveis? Fomos boas ou más pessoas?... Muitas interrogações??? Muitos Caminhos??? Muitas Viagens???

Pois com trinta e poucos anos o que levaste desta vida foi sempre nos brindares com esse sorrriso. Eu interrogo-me se faço o mesmo...

Pelo menos a vida agora deu-me uma nova perspectiva, não escolhe pessoas boas, más, gordas, feias, ricas, pobres, todos vamos para o mesmo local, mais cedo ou mais tarde, infelizmente a ti, levou-te cedo demais...

Adeus… não… até um dia…

A sensação é de estar voltando para casa..........depois de muitas batalhas, vem nossa luta final........o reencontro........

 


Marketing – Escola de Sopros Caxinas

por Narciso Santos, em 09.02.17

" A Música é interessante mostra os Sentimentos", quem saibe se num futuro, teremos uma Banda Jovem das Caxinas!

Na minha comunidade Caxineira (e em todas em geral) a educação das crianças é um assunto muito sério para os pais, mais em concreto para as Mães pois infelizmente são elas que fazem a gestão de toda a casa e são elas que na maior parte dos casos são Mãe e Pai ao mesmo tempo pois a vida assim o obriga.

 Assim se passou comigo com o meu Pai “embarcado” por uma dezena de meses em alto mar e a minha Mãe encarregue de cuidar da casa e dos filhos. Na minha altura tínhamos um ditado nas Caxinas: “Ou se dava jogador de futebol ou se ia para o Mar”. Mas a minha geração mudou este paradigma e foi das primeiras a enveredar pelo caminho dos estudos, pois havia outros voos além do ser Pescador e do ser Jogador.

A Educação dá-se em casa pelos pais, e terá que ser cimentada nas escolas pelos professores e pela própria comunidade onde nos encontramos inseridos, ou seja, a soma das partes dá um todo, e a educação é dada por este todo que forma e edificam o Ser Caxineiro e as Caxinas.

Como a minha geração mudou isto tudo, nos dias de hoje ainda mais as “nossas crianças” estão mais predispostas a irem estudar, a seguir os seus estudos e os pais na sua maioria apoiam a decisão dos seus filhos e filhas pois querem sempre o que é melhor para estes.

Desta forma trago aqui o meu relato sobre uma forma de melhorar a vida dos nossos filhos e a sua educação nas Caxinas.

O meu filho começou a praticar piscina mal nasceu pois acho que o desporto é bom e deve ser praticado pelas crianças, depois aos 5 anos pedi-lhe para escolher outra atividade além da natação, e ele tentou o Karaté, e eu aceitei, pois dava-lhe disciplina, educação e saber estar. Só que não gostou, pois, a prática era feita “descalços”.

Depois lá tentou o futebol, mas não gostou muito e também não levava muito jeito para aquilo, e quando me surpreende e me diz que quer ir para a MÚSICA.

Confesso que fiquei surpreso, pois o “puto” era irrequieto, facilmente se distraia na sala de aula “cabeça no ar” e escolhe ir para a música, que em nada requer atenção e concentração. Ainda por cima escolhe PIANO, um instrumento também nada caro.

O que é certo é que o meu filho adora a música, adora tocar piano, e os níveis de atenção e concentração dele aumentaram de uma forma fantástica, os níveis de concentração também bem como a sua atenção.

Pois a música faz isto, desenvolve o raciocínio, a atenção e educa as nossas crianças. Outra coisa que a música faz que muitos não sabem é que na quarta classe antes de entrar para a 5 classe podem fazer provas de aferição no conservatório de Vila do Conde e as nossas crianças entrarem no chamado “ensino articulado” que é um ensino virado para alunos frequentadores do conservatório de música, com um horário próprio, e com disciplinas próprias e com turmas menos numerosas que o habitual.

Este ensino e as verbas dadas pelo Governo estão sempre em constante mutação, infelizmente não para melhor como seria de esperar mas para pior, mas acredito que tudo se irá resolver pelo melhor dos nossos filhos.

Desta forma o Conservatório de Música de Vila do Conde abriu a chamada “Escola de Sopros” nas Caxinas, no Centro de Estudos – Iluminar, Avenida Cidade de Guimarães nº 59 (em frente à

Escola Primária das Caxinas). As aulas são ás Terças, Quintas e Sextas das 19:45 às 20:45. Não precisa de comprar instrumento, ao contrário de mim que tive que comprar um piano e só tem um custo de (15€ / Mês).

Sei que este custo para muitas famílias pode ser pesado na sua conta mensal, pois temos muitos barcos parados devido à época do Defeso bem como muitos barcos não irem ao mar devido ao temporal que se vem vindo a sentir, logo o dinheiro não tem entrado em casa, mas as vantagens para os nossos filhos são enormes como foi explicado, e 15€ para as Caxinas bem como não precisam de comprar instrumento e eu tive que comprar um piano e ter os mesmos resultados que o meu pequeno tem.

Se a educação e o futuro do meu filho são importantes estou a partilhar este pequeno texto que já se torna longo de forma a poderem dar-lhes a escolha de ter outras opções além do desporto (também muito importante) que contribuirá para a melhoria mental das crianças, da sua educação e da sua integração na comunidade Caxineira.

O Conservatório é uma excelente associação de música em Vila do Conde e percebe que nas Caxinas também pode fazer um excelente trabalho com as nossas crianças, por isso fizeram um enorme esforço para poderem levar este serviço até às Caxinas, até às nossas crianças.

Tendo em vista a possibilidade de ensino articulado, onde sei que o segundo e terceiro ciclos são muito complicados para as nossas crianças, temos aqui uma oportunidade de tornar esta viragem na educação deles um pouco menos difíceis.

Quem sabe num futuro próximo além do nosso Rio Ave, do nosso Rancho das Caxinas não teremos um Coro das Caxinas bem como um Grupo Musical Caxineiro composto pelas nossas crianças.

 


Amor / Ciência

por Narciso Santos, em 08.02.17

Como será escrever de um assunto banal! Escrever sobre algo que não tem sentimento algum, escrever sobre algo que é simplesmente... comum! São pouco os que o fazem, procuramos todos a escrita para exprimir sentimentos que estão acorrentados ao nosso interior, e que desta forma saem como um desabafo... mas se escrever algo banal desprovido de qualquer sentimento o que será? Uma descrição, um protocolo experimental? Será assim difícil... ou os génios são os que falam de coisas banais de uma forma única! Questões? Dúvidas? Banal... Por exemplo:

A Ciência e o Amor... Será possível? Á luz da ciência meus caros... o amor não existe... e à luz do amor... existirá ciência? Pois é... serão compatíveis? Quem se quer entregar de corpo e alma a ciência terá de deixar de amar.. e ser apenas frio calculista e estudioso... aquele que quer amar.. não tem verdades universais... todos os dias quando ama... apenas sabe que ama.. quando se trata de responder a questões técnicas... ele simplesmente ama.. Mas afinal...de que falo eu... Amor? Ciência? Os dois ou de nenhum?

Dou por mim a pensar que escrita doida eu para aqui tenho... Trata-se simplesmente de uma pessoa com várias ideias... assim... nasce algo um pouco complicado de perceber a quem está fora... estou a pensar.. queria mesmo escrever um poema... mas não quero falar de amor, nem sonhos, nem dor, nem nada... mas não consigo... quero ser genial mas não consigo...


E Pá Chateiem a Edite...

por Narciso Santos, em 07.02.17

A Edite do Blog a vida em modo de livre fez-me umas pequenas questões às quais eu respondi com enormes respostas, não no seu conteúdo mas sim mesmo em tamanho, eu pedi a ela para fazer uma "triologia" com as perguntas, lançando tipo 2 por post, sempre dava para uns 3 dias de blog.

Foram perguntas interessantes e de difícil resposta, mas lá me amanhei mais ou menos bem... acho eu...

Por isso se querem saber mais sobre mim, passem, visitem, comentem a "entrevista" (no post da Edite para ser ela a responder e não eu).

"Ele é 8 ou 80, é Caxineiro e é do Norte. O Narciso Santos tem os blogues Mishmash Marketing e o cisosemjuizo, e neles escreve sobre marketing e sobre diferentes temas, espraiando pela blogosfera um mar de ideias, geniais ou loucas, conforme a perspetiva de cada um, mais ou menos como demonstra a fotografia acima . Mas vamos lá conhecer um pouco mais..."

Por isso lanço o repto: "Chateiem a Edite".

P.S. Sempre um bom tónico para insónias.

 

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Favoritos