Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

http://cisosemjuizo.blogs.sapo.pt

"Louco? Loucos são os Loucos que me chamam Louco mas que não conseguem ver a genialidade da minha Loucura!"

http://cisosemjuizo.blogs.sapo.pt

"Louco? Loucos são os Loucos que me chamam Louco mas que não conseguem ver a genialidade da minha Loucura!"

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Espíritos

por Narciso Santos, em 20.12.16

Este texto (não) pretende ridicularizar… as pessoas que de forma educada e gentil comentaram ou enviaram emails explicando e defendendo as suas crenças; no que respeita à vida depois da morte, porém, subsistem determinadas dificuldades técnicas difíceis de ultrapassar para mim, mesmo depois de me enviarem os seus vídeos do youtube com mistérios na estrada de Sintra… ainda assim estou céptico em relação a tais factos, vamos lá ver…

Eu tenho boas recordações dos espíritos. Passei muitas horas da minha infância a ler e ouvir histórias de casas assombradas. Espevitavam-me a imaginação. Ainda hoje não resisto a um bom filme de fantasmas. Tipo o sexto sentido – e gostei bastante, o argumento estava bem esgalhado.

Sempre achei intrigante que os espíritos dos defuntos mantenham tanto interesse pelo mundo físico que acabaram de abandonar. Alguns mantêm-se por cá porque continuam «ligados» à casa onde viveram as suas vidas. Depreendo que estes devem ser fantasmas de gente rica, pois infelizmente continua a existir muita malta neste mundo que não hesitaria em abandonar as suas casinhas por outras mais dignas da sua condição humana, e sem olhar para trás, este facto convence-me que de facto só existe neste segmento de mercado, no mundo metafísico para a classe alta dos espíritos, pois se colocar-mos os mesmos por exemplo Em Aleppo, queria ver o espírito a andar por la assombrar, sem as mínimas condições para viver (mesmo estando morto) sem higiene básica, a levar com petardos em cima e afins…

É um exercício provavelmente inconsequente, mas ponham-se no lugar do morto – (não me refiro ao lugar do passageiro da frente), embora pela forma como se conduz em Portugal o lugar da frente tenha grande potencial para quem deseja iniciar uma aventura no Além, mas uma vez mais, somente ficaria a assombrar o quê o meu Fiat Punto com 11 anos, com 170.000Km sem ar condicionado? Não me parece. Agora se for assim… um Austin Martin, fonix até lá eu ficaria pela eternidade fora.

Bem, vamos então supor que nos deu o badagaio, esticámos o pernil, o espírito desencarnou e estamos prontos a apresentar o nosso currículo moral (aqui chumbo de certo) ao Criador para que este carimbe a nossa entrada (no meu caso não) no Paraíso. Ficamos então com a certeza absoluta de que existe um outro mundo para além deste – o mundo espiritual. Que fazem vocês, meus caros ex-cépticos falecidos, partem à descoberta desse novo mundo prometido por Deus ou deixam-se ficar presos no nosso velho e decrépito mundo físico que de resto já conhecem? Isto é uma excelente pergunta… Ora bem temos uma cena metafísica com anjos, onde se pode levitar e coisa e tal e no outro prato da balança temos este calhau onde vivemos… Ora bem eu com o meu “espírito” empreendedor e com umas costelas de Indiana Jones até optaria pelo metafísico, ATENÇÃO, mesmo com a cena do ai e tal os anjos são assexuados….

Dizem que os espíritos se mantêm ligados ao mundo terreno porque sentem saudade dos entes queridos que aqui deixaram, já diz o meu Gabriel o Pensador “Astronauta está sentindo falta da terra? A gente aqui embaixo, Continua em guerra, Olhando aí prá lua Implorando por paz”, preocupam-se com eles, desejam protegê-los. Compreendo a dolorosa humanidade destes sentimentos, mas o meu problema com a crença em espíritos tem a ver com a forma como o mundo espiritual interage com o mundo físico. Corrijam-me se estiver enganado, mas parece-me que o mundo do Além não deve estar sujeito às leis deste mundo, ou seja, não deve estar condicionado ao Espaço e ao Tempo.

Se o Além é uma espécie de «singularidade» em que não existe Tempo nem Espaço, tenho alguma dificuldade em entender que possa existir um sentimento como a saudade. Sentimos saudade porque no mundo em que vivemos acontece estarmos fisicamente separados das pessoas que amamos pelo Espaço e pelo Tempo. Se me dizem que um espírito tem saudades e é por isso que comunica, eu respondo que então não deve ser um espírito; é uma projecção do nosso cérebro, tão sujeito às leis da física como o resto do corpo, logo por justaposição o tipo não está morto, logo fica cientificamente provado: Que ou não existe espíritos ou não existe eternidade, pois ao existir um não deveria entrarmos no conceito espaço/tempo… Uma vez mais me faz confusão.

A morte também nos separa dos vivos, é verdade, mas a separação é um problema terreno: um espírito do outro mundo não deveria ter esses problemas porque os espíritos de todos os seres que existiram e virão a existir estão livres das amarras do mundo físico, não estão sujeitos ao Tempo e ao Espaço e, como tal, estiveram e estarão sempre presentes, logo estas trapalhadas todas complicam-se ainda mais, mas ok vou fazer de conta que engulo esta, deixa ver o que vem a seguir.

Se os espíritos respondem aos chamamentos dos médiuns, então devem reter a sua identidade terrena. Vistas as coisas, talvez o mundo espiritual não seja assim tão perfeito. Conheço algumas barbies aqui na Terra cujas almas ficariam horrorizadas só de pensar no destino do seu rico corpinho; conheço outras barbies que encarariam a morte não como uma passagem para outro mundo ou «o contrário de estar vivo, in Lili Caneças», mas como uma forma mais extrema de anorexia.

Eu tenho boas recordações dos espíritos e, como disse, (não) pretendo ridicularizar quem acredita nessas coisas, mas continuo a preferir o Woody Allen quando diz qualquer coisa como filosofias e outras coisas elevadas pertencem ao espírito, mas o corpinho é que se diverte, sim sou mundano…

Lembro-me de uma ocasião em que os fantasmas tiveram uma enorme importância para a minha felicidade física, no mítico jogo do copo que para um tipo galar uma miúda ou se sentar ao lado da mesma tinha sempre essa desculpa ai e tal o espírito disse que éramos perfeitos um para o outro….

Que resta, então? Talvez o Amor, sob todas as suas formas, seja o único sentimento possível de existir fora do Espaço e do Tempo – e seja precisamente o Amor a unir ambos os mundos, caso exista outro.

Tudo bem, o Amor é bem capaz de ser o maior mistério de todos os tempos, mas mesmo assim prefiro deixá-lo ficar onde pertence – ao mundo dos vivos, ou seja, no nosso calhauzito, o terceiro a contar do sol ( se Mercúrio e Vénus ainda forem planetas) o único em que acredito.

Quanto aos espíritos, que venha ao de cima o “espirito” de Natal mas todos os dias do ano, e não durante 1 semana, e depois viramos todos uns Trolls…


O Raio da Banheira!

por Narciso Santos, em 19.12.16

 

Levantei-me de manhã com a merda do despertador a tocar Tony Carreira (sempre quis colocar o nome do Tony num texto e eis que surge a oportunidade) junto aos meus ouvidos ... Penso logo que o dia irá correr bem, pois o “menino naquela aldeia”  era o Tony e agora ele enche o Meo Arena e o Olimpià … Boa Maneira de ver um menino que se tornou num ícone em Portugal.

Mas… afinal não foi bem como tinha esperado…

A questão é que, no momento em que, desesperado, tento calar o despertador, bato com a cabeça na mesa-de-cabeceira de tão enorme choque sonoro matinal, digo uns quantos palavrões, solto um grito de dor e no meio de um berro agarro-me á parte detrás da nuca enquanto deslizo mais uma vez para a almofada. Contorço-me com dores agudas. Bom dia!

Estou de pé... desta vez escolho eu a musica enquanto me preparo para o duche. Hummm... "O-Zone" que seja. Pouco conhecedor da língua Moldava (Dragostea Din Tei) mas aqueles instrumentais, a língua que não entendo são a força de que preciso para agarrar nos boxers e nas meias e dirigir-me sem frete á casa de banho. Estou dotado de uma banheira que é objecto do qual não usufruo á cerca de 5 ou 6 anos. Maravilha!

Então slippers down, esquentador aceso, música ligada e sem tapete anti derrapante dou dez mortais no ar e escorrego na bendita banheira. Algo que me fez lembrar os Jogos Olímpicos de inverno pois balancei umas três vezes nas paredes brancas que beijei de perto... Olha... um fiozinho de sangue a sujar a cor da cal.

Ok... um dente solto, shampoo no olho que arde incessantemente e lhe atribui uma cor avermelhada faz-me ver mal enquanto me limpo com a toalha do bidé. Grrr!

Damn... isto hoje não está a correr bem. Pequeno almoço. Tenho uma carcaça já de á dois dias que tenho de torrar. Sabem que convém um minuto senão fica queimadita... e ficou mesmo. Estou a atrasar-me portanto lá vai ela, preta, pela goela abaixo enquanto dou um golo no leite que me faz engasgar e tossir desalmadamente, dando a mesma cor vermelha ao olho que faltava. Merda.

Corre Ciso (tipo Run Bitch…Run), corre!

Note-se que o gasóleo está nas últimas o que me fez aguardar por um comboio que só por si estava atrasado. Realmente lamento o fumo que fiz na noite de ontem pois só dentro do comboio na presença dos nossos amigos pica-bilhetes me pude recordar que era necessária a compra de um bilhete. Mais uma vez Run Bitch Run!

Vestido Estilo Hip-hop? Humm.. há quem não suporte... portanto no meio da correria entre carruagens, existe uma senhora muito simpática que ao aperceber-se da azáfama que circundava, decide esticar a sua gentil bengala para que o "branco que quer ser preto" pare. Okkkk... Desço na estação a seguir. Deixei-me conformado pois até podia ter corrido pior. Já de certeza que chego atrasado ao emprego portanto, até queria avisar do sucedido pela pessoa respeitosa que sou, mas... Um telemóvel sem saldo não resulta... uma conta bancária a zeros pouco ajudaria. Estou fodido.. pronto... basicamente é isso!

Hoje não é dia para se trabalhar... Estou de cabeça cheia e se é para vir o mal então que venha tudo de uma vez - grito eu para os céus - enquanto sou observado por algumas raparigas que pensam que devo ter faltado á hora marcada dos comprimidos. Estranhamente, eu ateu, recebo uma resposta instantânea dessa entidade superior que paira sobre as nossas cabeças chamado, não Deus, mas pombo (já me fazia lembrar a musica das Mamonas Assassinas “As Pombas quando avoam por incrível que pareça, ficam sobrevoando com seus cus amirando as nossas cabeças, daí vem a rajada de sua bazuca anal, já tem pomba com mira a lazer o tiro sai sempre fatal”). Roupinha lavada que de repente ganha um novo tom de cinzento com uma mega cagadela. Se eu estou a ter um mau dia, imagino pelo tamanho do “poio”, o mau dia que aquele pombo estava a ter e o alívio que teve pós-bombardeamento. Epá isto é que não... podia ser qualquer outra coisa... mas isto? Porquê?

Vá... o Miúdo aqui está em ponto de ebulição mas anda sempre com os lençinhos e até nem seria nada demais se não fossem as três meninas por sinal bastante giras, a rirem-se como se não houvesse um amanhã, e apontando para mim... Esboço um sorriso cínico e como é normal em mim opto sempre por me calar e esticar apenas o dedo do meio... Acho que seria o suficiente. Mas houve uma delas que não achou tão engraçado assim e resolve pedir-me satisfações, perguntando se me doía alguma coisa. Depois de a chamar pelo nome que tão bem lhe assenta, houve uma resposta física por parte dela, antecedida de uma preparação comum aos lutadores de Taekwondo. Oh Hell o resto mais vale ficar no segredo dos deuses... Não mereço... nem as amigas mereciam tantas lágrimas de riso depois desta Shena princesa guerreira sacudir as mãos. Estou estendido perguntando a mim próprio que mal fiz... não encontro respostas... É só um dia mau...

Na mesma estou de pé vagueando pela cidade que me assombra com as cores do concreto e com os abutres atacantes de cocós a voarem-me por cima.

Paro de frente á montra de uma loja de electrodomésticos e uma Televisão para o exterior, mostra excertos do telejornal desse dia fatídico. Nos momentos em que estive em transe vi atentados de bombas, vi crianças morrendo de fome, violações, assaltos resultantes em mortes, acidentes de trabalho, desastres de condutores embriagados e pude reparar que no fundo... eu nem sequer estava a ter um mau dia. Estava a ter uma oportunidade de mostrar a quem lesse este texto, que, por vezes, apesar de tudo parecer correr mal, existirá sempre quem está pior, e o nascer de um dia não passa de mais uma oportunidade que nos dão de mudarmos quem está pior que nós ou de nos mudarmos a nós próprios. Quando te sentes sozinho, há quem esteja sozinho também, e quando tens medo, há quem tenha mais que tu.

Por isso se somos diferentes, apenas o somos porque nos diferenciamos, a força para o dia seguinte reside aí... é que a meu ver... seja em que parte do mundo fosse... se eu voasse... aquele pombo ia ser massacrado!

Sem brincadeiras... a força para se continuar está nos que são mais fracos que nós e na intenção de os ajudar-mos para que o nosso dia possa correr bem... Não são acasos do destino como um tropeçar de uma banheira que moem... O que faz mossa é muitos não terem uma banheira onde caírem!

CSJ


Eric - Assim não…

por Narciso Santos, em 18.12.16

Hoje acordei de bom humor e pensei em destruir completamente o que muitos comentam de Obra Prima do Eric Clapton, sim essa música, que bateu em muitos casamentos, em muitas danceterias, muitos “coitos” com esta canção, mas gosto deste comentário em específico: “A mulher estava tão linda naquela noite, que a beleza refletia nele e o fazia se sentir maravilhoso.”

De facto devia ser só a mulher a sentir algo… Pois ele nesta música, é um completamente… Asno, uma vergonha para a classe masculina, mas não posso acusar alguém disto sem provas, e não é difícil as encontrar na letra da mesma música.

Sora lá dissecar isto…

Ok não vou dizer que a música é feia... Mas algo na letra parece-me estranho… Algo não bate certo…

Na música o Eric vai para uma festa com a Senhora X, mas antes de saírem de casa, a Senhora X para variar, está 3 horas a se preparar (inventei esta parte, a classe feminina que não me massacre com este comentário). Então a mulher anda para lá a esfregar os longos cabelos e a pensar que roupa usar (com o guarda roupa cheio de roupas é complicado escolher uma no meio de um milhão, mas mesmo com meio milhão impressionante como nunca têm nada para vestir, sim mais um comentário machista). Coloca lá a maquilhagem e pergunta ao Eric: “Estou bonita?” E ele responde que ela está um espanto, linda e maravilhosa.

Depois lá vão para a festa, onde a Senhora X dá um show na visão dos presentes, pois todo o mundo fica de boca aberta a olhar tamanha beldade, não se sentindo segura na resposta dada pelo Eric umas horas antes, a Senhora X pergunta novamente se está bonita e lá o Eric para lhe aumentar o ego diz, ok miúda estás estonteante...e vai ainda mais longe dizendo que ela nem imagina o quanto lhe ama.

A fórmula matemática do amor: o amor é multiplicá-lo pelo infinito, levá-lo até ao fim da eternidade e mesmo assim apenas se terá um vislumbre do que se fala (só para dar um ar poético à coisa “Meet Joe Black”)…

Depois de grande festa, do sucesso da Senhora X na mesma, chegam a casa e todos os indícios apontam para uma predisposição “para a acção”… E eis o que sucede: o Eric está com uma enorme dor de cabeça, diz á Senhora X que ela está fantástica e que vai ser noite DVD (Deitou, Virou e Dormiu)…

A sério Eric? Será que antes de saíres de casa andas-te na “Cocaine” (outra bela música) e agora acabou o efeito da mesma e nada?

Ao menos arranjavas uma desculpa à Homem, à Macho. Dizias algo imperceptível, ias á casa de banho davas um vómito e dizias, “Aquele último copo de Gin matou-me, e nunca os 10 copos antes desse último.

Se não querias dar a imagem de um tipo fraquinho com a bebida, ou não dar um ar de bêbedo, dizias o que eu dizia a minha mãe: “A comida caiu-me mal.”; “Aquele cocktail de camarão com trufas e caviar não estava muito fresco”. Tudo menos “dor de Cabeça”.

Por isso Eric, toca a fazer a versão 2 desta música, um remake, mas com um final mais apimentado, pois este final… DAMM!?…

P.S. Tenho que recorrer novamente á versão Brasileira desta música de Leandro e Leonardo. Se o Eric não conseguir uma versão Take 2, que copie os sertanejos, pois eles terminam a noite a “fazer aquilo” no banco do carro, aqui não há dor de cabeça…

CSJ


Aviso - Be Afraid!?…

por Narciso Santos, em 17.12.16

 

A Administração do CisoSemJuízo (CSJ) vem por este meio emitir o seguinte comunicado para todas as visitas (acidentais ou não), leitores (acidentais ou não) e restantes elementos da população mundial que por aqui venham passear (de propósito ou não) e aos meus conterrâneos do 9 planeta do sistema solar, já que Plutão deixou de ser planeta (Loucura; nome do planeta): 1. O blog CSJ (para os amigos) tem dono. É Meu, Me; Je; Moi; etc.. (mas adiante designada por Dono Me); 2. Na qualidade de Dono do Blog, a Administração tutela nela o desígnio de Mestra Universal de Todos os Bens Materiais e Imateriais que pelo blog CSJ possam estar, não estar, ter estado, ir estar ou encalhar ou qualquer merda qualquer; 3. Na qualidade de dono do Blog CSJ, o Dono Me pode vir para aqui largar as postas de pescada que bem quiser e bem entender e utilizar o palavreado que estiver assente nos dicionários ou não; 4. O blog CSJ tem visitas (e afins – ver acima do lado direito, ou esquerdo, sei que está em algum lado… ou não), feliz ou infelizmente, depende (acredito mais no infelizmente); 5. As visitas podem vir para aqui largar as postas de pescada que bem quiserem e entenderem (mas por favor deixem cenas para eu não responder); 6. O blog CSJ, sendo um espaço de relativa democracia, não discrimina ninguém em função de qualquer característica natural ou adquirida, tirando a conhecida por Estupidez (natural ou não); 7. A Estupidez será, no CSJ, tratada com o devido despeito, desrespeito e ofensa (gratuita ou não) de modo a que a mesma se vá e não mais queira voltar caso não se pretenda emendar de seus atentados à inteligência (energúmes entenderam?); 8. É da exclusiva responsabilidade do Dono Me empreender todas as acções (necessárias ou não) para garantir que a Estupidez se vá (e não volte) podendo a mesma utilizar de linguagem rude e ofensiva ou do sarcasmo e tom irónico sempre que assim lhe aprouver (olhem que usarei mesmo isto tudo); 9. Caso a Estupidez (natural ou não) teime em fazer do blog CSJ poiso, recorrer-se-á a medidas mais extremas como seja a opção “DELETE” a cada uma das suas manifestações; 10. Relembra-se que o destino do blog CJS pertence ao Dono Me e a todos os pitis mentais, físicos ou mistos que lhe derem, não derem ou estiverem por dar, havendo por aí bom remédio para quem disto discordar; 11. O blog CSJ não é conhecido pela Santa Casa da Misericórdia, e como tal, não se rege pela máxima também utilizada pelos EUA de “Bring me your weak, your poor, and insane people”, pelo que qualquer tentativa de transformar o blog CSJ em casa de acolhimento será repudiada com cães, gás pimenta e o arroz de pato de uma senhora que conheço de um restaurante aqui perto; 12. O anonimato é direito de todos, inclusivamente do Dono Me (mas prescindo dele); 13. Quem deste direito abusar acarretará com as devidas consequências; 14. Recorda-se que o blog CSJ possui endereço de e-mail disponível 24 horas por dia e por mais meia dúzia durante a noite sendo para o mesmo que vai parar toda e qualquer tentativa (frustrada ou não) de comentar o blog CSJ pelo que dizer algo qualificável como “Totó”, sofrer arrependimento, apagar a coisa e depois substitui-la por outra não menos “Totó” pode parecer muito bonito na caixa de comentários, mas na inbox do mail, não; 15. Informa-se igualmente que daqui em diante (a partir de hoje para os leigos) a Administração do CSJ tem activo sistema de gestão de reclamações devido à implementação do SGQ pela NP ISO 9001 na semana passada por filho do tipo que está a fazer obras na casa ao lado; 16. Qualquer reclamação receberá a devida atenção sendo posteriormente descartada ou não consoante o nível de Estupidez ou capacidade de fazer rir quem a lê (podendo nestes casos ser publicada para espalhar felicidade pelo ciberespaço); 17. E prontes. Era mais ou menos este o comunicado que se tinha a fazer. Com os mais cordiais dos simpáticos dos empáticos dos respeitosos dos atentos cumprimentos, Tankiú e igualmente, A Administração do CSJ.

CSJ

Pág. 2/2

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Favoritos