Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

http://cisosemjuizo.blogs.sapo.pt

"Louco? Loucos são os Loucos que me chamam Louco mas que não conseguem ver a genialidade da minha Loucura!"

http://cisosemjuizo.blogs.sapo.pt

"Louco? Loucos são os Loucos que me chamam Louco mas que não conseguem ver a genialidade da minha Loucura!"

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

1ª Outorgante: Consciência de NS

 

2ª Outorgante: NS

 

Celebram entre si um contrato de Resoluções / Intenções e Afins a Termo (in) Certo 2017, subordinam às cláusulas seguintes:

1.ª

A 1ª Outorgante é uma empresa que se dedica a actividade de consciencializar, criar sentimento de culpa, orientar, distinguir o bem do mal.

2.ª

Pelo presente contrato, a 1ª outorgante contrata ao seu serviço 2ª Outorgante para mediante as suas directrizes e autoridade, desempenhar as funções de Não Objetor de Consciência Própria da

categoria profissional de Ser Humano Extraordinariamente Normal.

3.ª

O 2ª outorgante tem direito a férias, subsídio de férias e subsídio de natal nos termos da lei aplicável ao regime estabelecido neste tipo de contrato desde que os seguintes artigos sejam executados.

4.ª

O 2ª outorgante compromete-se a ajudar, mimar, amar, confiar em toda a sua família e amigos existentes, os que queiram ser, os que possam ser, os que eu quero que sejam.

5.ª

O 2ª outorgante compromete-se a tentar deixar de ter ataques de carvalheira, mais commumente conhecidos por ansiedade e stress, desta forma dar um melhor bem estar a quem o rodeia.

6.ª

O 2ª outorgante compromete-se a tentar perceber mais de saúde, quiçá tirar uma licenciatura em medicina para dar e vender saúde aos que o rodeiam.

7.ª

O 2ª outorgante compromete-se a utilizar o creme de limpeza de pele oferecido no ano passado, e após limpeza utilizar o creme que faz qualquer coisa à pele, mesmo que os cremes estejam fora de prazo.

8.ª

O 2ª outorgante compromete-se a correr todos os dias os 8 km do percurso já traçado este ano, podendo adoptar medidas de Running, Joging, Cycling, Walking e podendo mesmo usar as roupas “pipis” para o devido efeito.

Nota: Os 8km podem ser substituídos por outro tipo de actividade conhecida e mais prazerosa de queimar calorias.

9.ª

O 2ª outorgante compromete-se a tentar emagrecer no mínimo 1 quilo por mês, para poder em Agosto em 15 dias engordar 5 quilos e em Dezembro outros 5 quilos, ficando 2 quilos para uma ocasião extraordinária.

10.ª

O 2ª outorgante compromete-se a não usar os perfumes da pequenada, nem da mulherada usando como desculpa que são unissexo, tem os seus próprios perfumes para usar.

11.ª

O 2ª outorgante compromete-se a terminar a tese intitulada: “The Digital Marketing in Social Networks and its impact on the Creation / Co-creating of value in Political Participationmesmo tendo que adaptar metade da tese já efectuada ao conceito empresarial, não podendo usar como desculpa: “Não entendo nada de Política” o que é verdade.

12.ª

O 2ª outorgante compromete-se a deixar de ser o 8 ou o 80, passando a ser o 7 ou o 79, ser mais humilde, menos orgulhoso e Narcisista, mesmo tento como nome Narciso.

13.ª

O 2ª outorgante compromete-se a ter uma “Mente Sã e Corpo São” estimulando o cérebro com mais livros, mais diversidade cultural. O corpo? Ver a resolução 8.ª.

14.ª

O 2ª outorgante compromete-se a quando perder a jogar snooker não culpar a criançada com a desculpa: “não me consigo concentrar no jogo”. Perder com dignidade é uma virtude.

15.ª

O 2ª outorgante compromete-se aprender todos os dias, melhorar todos os dias, ser corajoso todos os dias, como o fez até ao dia de hoje.

16.ª

O 2ª outorgante compromete-se a fazer sorrir mais e fazer chorar menos…

17.ª

Este contrato tem a duração de 1 ano, entrando em vigor dia 1 de Janeiro de 2017 e terminando dia 31 de Dezembro de 2017, podendo ser revogado por mais 1 ano, se nenhuma das partes cancelar o mesmo por justa causa.

Anexos

Que 2017 venha com todas as Suas Vicissitudes pois eu estarei aqui de “Peito Aberto” e lhe responderei com o Melhor de Mim.

Mote: Ser Feliz

Feliz 2017

NS

 


Aprendo

por Narciso Santos, em 30.12.16

Todos os dias aprendo pelo menos uma coisa nova... com um amigo, com um colega, com as crianças, com os adultos, com as pessoas que gostam de mim, com as pessoas que não gostam de mim, comigo próprio, com a vida...com tudo o que a vida nos dá.

Aprendi que...

... os amigos fazem-se em qualquer lugar e a qualquer hora, desde que estejamos disponíveis;

... ... por vezes a amizade confunde-se com o amor...não...na verdade, a amizade é uma forma de amar;

... as saudades doem, mas tornam os laços mais fortes;

... a distância mostra-nos quem são os verdadeiros amigos;

... os amigos de sempre continuam a ser os amigos de sempre;

... os amigos que já não são, nunca o foram;

... uma má experiência pode tornar-se boa, desde que saibamos aproveitá-la;

... a mudança é uma forma de crescer;

... a adversidade torna-nos mais fortes;

... a paciência é mesmo uma grande virtude;

... nada é impossível;

... lutar por o que se quer dá sempre resultados;

... é um privilégio fazer-se aquilo que se gosta;

... proporcionar felicidade a alguém é proporcionar a minha própria felicidade;

... rir é, sem dúvida alguma, o melhor remédio;

... pensar demais é mau;

... agir sem pensar é pior;

... adiar o inevitável não leva a nada, só a desperdício de tempo e energia;

... mentir aos outros é cruel, mas mentir a nós próprios é inadmissível;

... as crianças são mesmo o melhor do mundo;

... todos falhamos, por isso saber perdoar é uma grande virtude;

... não vale a pena arrependimentos, o melhor é retirarmos sempre um ensinamento de tudo aquilo que fazemos;

... nós somos responsáveis por nós mesmos e pela nossa felicidade;

... demonstrar o quanto gostamos de alguém é muito difícil;

... esconder aquilo que se sente é ainda mais difícil;

... a vida é dura, mas eu sou ainda mais;

... devemos reflectir sobre o dia de ontem e aprender, pensar no dia de amanhã e planear, mas sobretudo no dia de hoje devemos agir;

A vida ensina-nos tanto...é por isso que é tão bom estar aqui...

Hoje vivi e aprendi!

A vida é assim... Vivendo e aprendendo...


Banana

por Narciso Santos, em 29.12.16

 

Além dos Minions, sou apenas mais um banana neste mundo. No entanto, sou (ou tento ser) um a banana com espinhas, assim tento engasgar alguém que me tente comer! Ainda estou um bocado verde (aquelas bananas que travam na língua de tão verde que são), actualmente o bananeiro está localizado na área do Planeta terra (desconheço outros planetas onde posso ser plantado), algures neste espaço. Sou formado em alguma coisa. Gosto de mandar bitaites por isso criei um blog (que no meu caso é uma aglutinação/condensação de “bananas”).

O mais estranho é que nasci um ser mesmo especial, ou algo me transcede, porque como banana não tenho sementes, qual a lógica de possuir frutos? Se a função do fruto em si é para proteger a dita semente, ver casos de caroços de pêssego, maçã, etc… Então porque raio este banana que aqui escreve tem fruto e não tem semente para proteger? Serei mais um desperdício da natureza, tanto esforço da mesma para expurgar um tipo cá para fora sem sementes? Não sei, não… Sei que isto não tem lógica, o texto claro.

Bom, não sei se é bem isto, por isso deixa lá tentar arranjar um raciocínio lógico, dedutível, indutivel, enfim tudo acabado em “vel”… Para a compreensão de qualquer texto o leitor/ouvinte tanto utiliza o raciocínio lógico para a compreensão analítica, como o raciocínio prático para compreensão ordinária. A compreensão analítica, em oposição à ordinária, requer mais cuidado e, por exigir mais habilidade mental, acarreta grandes diferenças entre adultos (até aqui compreende-se bem, acho eu…). A distinção que aqui se faz entre compreensão ordinária e analítica é relevante porque o raciocínio lógico formal utilizado na resolução dos diferentes tipos de silogismos exige a compreensão analítica de premissas (aqui estou completamente perdido) que raio ando a escrever.

Um exemplo de raciocínio lógico-formal seria: "macaco come banana e homem come banana, logo homem igual a macaco". Obviamente, são armadilhas que o raciocínio lógico-formal encerra.

Depois desta ilustre demonstração de alguma coisa, pode-se concluir que o meu raciocínio e todos os textos escritos são tudo menos lógicos, indutivos ou qualquer coisa, para não entrar nos formalismos, aí é que era, ai, ai..

Sobre que é que comecei a escrever sobre as bananas ou sobre mim ou sobre raciocínios? Só perguntas que me assolam e não me deixam voar, apesar das vertigens e o medo de sair do chão mesmo…

Mas as bananas são no mínimo peculiares, quer pela forma física que apresentam, quer pelo sentido que se pode dar à palavra, comer uma banana, és um banana, etc…

 

Comer uma banana será na sua forma física o mesmo que comer um Calipo de limão ou nem por isso?

CSJ


Escreve

por Narciso Santos, em 28.12.16

Escreve. Não é um pedido, é uma ordem. Escreve. Tens de escrever. E necessário que escrevas. Exigem que escrevas. Precisam da tua escrita.

Escreve, e se não conseguires, persiste. Pois terás que escrever. Escreve sobre o mês, o frio, o amor, o sexo. Aquele tão suculento que qualquer um gostaria de ter. Sexo, sim, bom tema. Então, escreve.

Alias, escreve antes sobre o amor. Sexo e pecado. Amor e amor. E amor todos nos precisamos. Pois escreve! Escreve hoje que amanha já se torna tarde. Alias, escreve agora que daqui a uma hora já é tarde. Daqui a cinco minutos já é tarde. Agora já é tarde. Por isso, tens de escrever! Escreve, Caralho! Que custa?

Merda, escreve…Abre as asas da tua imaginação, ou então não abras, ou não faças nada, mas escreve…Se escreveres, dou-te um prémio. Se escreveres, serei teu para sempre...

Fodasse não escreves? Está bem! Não escrevas. Outro o fará em teu lugar...

«Desculpa, mas já não sei escrever...Perdi o jeito, se o tinha. Perdi o vagar. Perdi, essencialmente, a caneta com que escrevia. E foi como se ela me levasse a inspiração. Por isso, não escrevo. Pois não posso. Por agora. Por amanha. Por ontem.»


Never Back Down

por Narciso Santos, em 27.12.16

 

Gostei desta frase “as pessoas são um mundo dentro do mundo”, eu claro sou logo uma constelação. E, hoje, inspirado ou não, pelas bolachas de água e sal que se encontram em cima da minha secretária, escreverei umas linhas, sem qualquer rigor científico, sem qualquer substância, sem qualquer …, até diria sem qualquer palavra, mas isso seria deixar um texto em branco, um dia deixarei um texto em branco para ser completado por alguém, uma página em branco, uma tábua rasa…. Mas, sim, ao sabor daquilo que é a substância do mundo: a sua gente. Gente que transpira, respira, sente, vive, faz, acontece. Gente que é. Sim essa gente rara mas que existe se procurar-mos muiiiiiitooooo bem…

Que raio substâncias, mundo, pessoas, isto nem parece meu, narcisista e a falar de outros ou não…O que o Rugby nos pode ensinar? Esse desporto essas palavras são poderão ser estendidas a toda a existência. À capacidade de desdobramento em pai, mãe, filho, marido, esposa, profissional, colega, amigo, primo (...), do ser humano.

O Haka, não sei mas gosto daquilo, parece uma sinfonia harmoniosa sobre campo que nos faz reflectir na entreajuda e na equipa e catapultarmos para a vida e para o mundo, CORAGEM mesmo.

O compromisso, a promessa, o mote é “nunca desistir”. É necessário jogar em equipa, entender a mesma como um conjunto de pessoas muito diferentes. Equipa rima com respeito pelas diferentes opiniões, com humildade, com estímulos constantes. E aqueles tipos não desistem e lutam não por si mas por um todo, pois o todo o mais importante do que o individual e acho que deveria ser este mote no mundinho que vivemos. Os supostos Lideres pensam em quem, nas pessoas ou neles?

Liderar faz-se de consistência, de despertar curiosidade, de lealdade, de transparência, de abertura. Ora bem deixa lá ver no mundo um que faça somente metade disto…. Nenhum!

Acho que muitos (pseudo?) líderes se esquecem do quão importante é a motivação. De que as pessoas gostam de se sentir especiais, envolvidas. É necessário, em tudo, “regar a planta”. Falar com a planta faz ela crescer mais rapidamente e melhor…

É necessário que se ausculte o mundo; que se perceba que o stress não existe quando estamos comprometidos com a vida; que quando temos um objectivo, o tempo voa;  que precisamos de sonhar, ser menos autistas, mais sonhadores, acreditar mais, procurar o extraordinário em cada detalhe, saber estar com os outros com humildade; fomentar o sentido de partilha, o espírito de responsabilidade; ter coragem para arriscar, ser diferente, ser audaz, ter uma força mental fantástica e um poder de acção sem igual. Porque pior do que tomar uma má decisão é não tomar decisão alguma.

“Não sigas caminhos feitos, abre antes o teu caminho e deixa um trilho”, como já referenciei num post anterior não gosto de andar por caminhos já trilhados e gosto de fazer os meus próprios caminhos e as minhas próprias regras e cometer os meus próprios erros pois assim crescerei como pessoa e ser humano.

Tudo se consegue, basta acreditarmos e trabalharmos para tal.

Não dá para viver sem magia. Nem era a mesma coisa...

CSJ

 


Dicotomia Amor / Ciência

por Narciso Santos, em 26.12.16

Como será escrever sobre de um assunto banal! Escrever sobre algo que não tem sentimento algum, escrever sobre algo que é simplesmente... comum! São pouco os que o fazem, procuramos todos a escrita para exprimir sentimentos que estão acorrentados ao nosso interior, e que desta forma saem como um desabafo... mas se escrever algo banal desprovido de qualquer sentimento o que será? Uma descrição, um protocolo experimental? Será assim difícil... ou os génios são os que falam de coisas banais de uma forma única! Questões? Duvidas? Banal... Por exemplo: 


A Ciência e o Amor... Será possível? Á luz da ciência meus caros... o amor não existe... e á luz do amor... existirá ciência? Pois é... serão compatíveis? Quem se quer entregar de corpo e alma á ciência terá de deixar de amar.. e ser apenas frio calculista e estudioso... aquele que quer amar.. não tem verdades universais... todos os dias quando ama... apenas sabe que ama.. quando se trata de responder a questões técnicas... ele simplesmente ama.. Mas afinal...de que falo eu... Amor? Ciência? os dois ou de nenhum? 


Dou por mim a pensar que escrita doida eu para aqui tenho... trata-se simplesmente de uma pessoa com várias ideias... assim... nasce algo um pouco complicado de perceber a quem está fora... estou a pensar.. queria mesmo escrever um poema.. mas não quero falar de amor, nem sonhos, nem dor, nem nada... mas não consigo... quero ser genial mas não consigo... 


Feliz Natal

por Narciso Santos, em 23.12.16

 

Estava eu aqui sossegado no recanto do meu quarto, a cuscar alguns blogs que subscrevo e a tecer comentários estúpidos nos mesmos, quando oiço uma conversa entre os meus dois putos na sala, G. de 7 anos e L. de 3.

L - G. quantas namoradas tens?

G - Não tenho nenhuma e só quero casar com a Mamã.

L - Mas a tua amiga LE. no teu aniversário disse que tinhas duas, a LU. e a MJ.

G - Ela estava a brincar, eu não tenho namoradas, tu é que tens.

L - Sim tenho Mano, a I., a V., e “O” (Atenção ao “O”) T.

G - Mas L. a V. é feia…

Logo eu grito do meu quarto e interrompo o que pensava que o G. iria dizer de seguida. “A V. não é nada feia, é muito bonita e querida” e penso comigo mesmo, isto não vai acabar bem…

L - Tas a ver mano, a V. é muito bonita.

G - Ok, Ok, mas não podes namorar com outro menino, senão não podes ter filhos.

Eu a pensar que me tinha esquivado, mas eis que acontece o meu pesadelo.

L - Posso, Posso mano ficar com a V. e com “O” T. Não posso Papá?

Começo a engolir em seco, começo a pensar e faço de conta que não ouvi e penso que filmes estão mesmo a passar no canal Panda?!…

Mas o “raio” do puto sai da sala, bem ao meu quarto com o outro artista de 7 anos, com ar de “parvo” e pergunta-me: - Posso, não posso Papá, namorar com comeu amigo?

Eu meio embasbacado começo a tropeçar na língua e só me sai palavras como; ai e tal, sabes como é… E tal e “coiso”… E “prontes"…

O puto novamente investe na mesma pergunta. E lá respondo, quando fores maior depois vê-mos isso…

Não tenho nada contra gays (vivi com 2 na faculdade são grandes amigos), não tenho nenhum preconceito seja contra quem for, somente tenho raiva, de todos os livros que li antes do puto nascer: nos ensinar como eles ir ao penico, como os adormecer, mudar fraldas, embalar, etc… Que basicamente não serviram para nada, pois na realidade as coisas mudam muito de figura…

Já me safei da pergunta de onde vêm as criança e como vão parar á barriga e agora sai-me com esta…

Se me perguntasse sobre drogas, ainda vá que não vá, dou uma “perninha neste tema” Acendia Um e explicava a temática.

Ou álcool, também expert nesta matéria, lá lhes preparava um Gin, ou abria umas garrafas de vinho e fazia umas provas, tipo enólogo, mas não…

Mas tinha que ser sobre Homossexualidade com 3 anos. Não foi fácil, aliás nem difícil, pois basicamente não respondi. Acho que tenho tempo para elaborar um Cartoon e dizer como as coisas funcionam…

Basicamente “Love is Love” independentemente da escolha.

P.S. Deixa la comprar outro magote de livros para crianças sobre Sexualidade.

N.S.

Exmos Senhores

Antes de mais obrigado pela resposta negativa ao meu pedido de atribuição de bolsa estudos para terminar o meu doutoramento em marketing e estratégia, mas gostaria de tecer os seguintes comentários à não atribuição da mesma.

Tudo que será descrito posteriormente não tem como finalidade colocar em causa os colegas que conseguiram a bolsa de estudos mas sim colocar em causa o método de atribuição da mesma.

Começando pelo mérito do candidato: 2 valores em 4 possíveis: "O candidato não apresenta elementos curriculares relevantes, que justifiquem qualquer pontuação adicional." Bem eu não sei quais os "elementos curriculares relevantes" que são considerados, mas após verificar alguns dos candidatos aos quais foram atribuídas bolsas, deixem-me, lhes dizer que gostava de saber qual deles foi com 36 anos, Director de Marketing de 4 Empresas em Portugal, no Brasil e em Angola? O que mais me espanta é que quase nenhum dos "aceites" trabalhou (profissionalmente em contexto empresarial) na sua vida, somente têm veia académica, desta forma pressuponho que somente têm em consideração estes factores, ou seja, são docentes académicos e a quantidade de papers publicados e nada mais... Poderiam colocar como cláusula de exclusão que aceitam somente publicadores e não pessoas comuns que trabalham a nível profissional e ao mesmo tempo querem enriquecer o seu currículo académico com mais um diploma, para poder aliar a experiência profissional ao ensino, pois poderá desta forma saber o que se passa no mundo, no académico e saber o que se passa no mundo real, o profissional... Mas adiante, uma pessoa que foi 3 anos gestor do produto de duas grandes marcas automóveis, Grupo Fiat e Peugeot, em uma grande multinacional, Grupo Entreposto. Que foi Director Executivo em trés Empresas em Portugal, no Brasil e em Angola, com 12 anos de experiência a juntar aos 3 anos anteriores é considerado irrelevante... Trabalhar junto de Grupos como Jerónimo Martins, Os Mosqueteiros, Leroy, Sonae, etc... É irrelevante... Por favor eu devo ser limitado (mesmo me sentindo um pouco inteligente), desta forma gostaria de saber o que é relevante?

Virando-me agora para o segundo ponto da V/ avaliação, Mérito do programa de trabalhos a desenvolver - 3 valores em 4 possíveis. Vossa justificação: "A temática da tese e a abordagem proposta apresentam-se com um enfoque muito voltado para a área da gestão" Ora bem que dizer acerca deste tipo de justificação medíocre? Deixa pensar... (demorei 5 segundos para justificar). Uma pessoa que tem como base umaLicenciatura em Economia, um Mestrado em Gestão de Marketing, não será normal abordar um tema de marketing com enfoque na gestão sobre o mesmo? Outro comentário que gostaria de deixar presente e lhes perguntar era: Sabem o que é o marketing? Falam-me em questão pertinente da comunicação? Estão a brincar comigo? Sabem quantas variantes e quantas abordagens se pode colocar em um trabalho de marketing, sem falar em questões comunicacionais, e outras e mesmo assim ser um brilhante trabalho de marketing? Dou um simples exemplo. Um plano de Marketing qual o verdadeiro e mais importante enfoque deste que não seja o plano de viabilidade económica e financeira, pois é isto o que verdadeiramente interessa a uma empresa, e pergunto se este plano será não pertinente por não abordar os "tais processos comunicacionais"... Aqui começa o descalabro, a ironia e o sarcasmo do texto que irá culminar com algo fantástico, provavelmente não lerão até ao fim...

Por fim: Mérito das condições de acesso: 2 valores em 2 possíveis. Mau era darem menos de 2 valores a 2 universidades, uma Portuguesa e outra Espanhola...

E agora vem o top do bolo da cereja: "Nesta área científica as candidaturas com classificação inferior a 4,12 estão propostas para recusa" Ora bem como expliquei no ponto 1 que devo ser limitado, mas como a matemática é uma ciência exacta e feitas as contas, como base, se tivesse os valores máximos e não os aplicados daria o seguinte (para quem não sabe fazer uma média deixo aqui presente um exemplo: (4+4+2)/3 = 3,33333. Como raio se eu tivesse pontuação máxima nos 3 pontos iria chegar aos 4,12 valores para me ser atribuída bolsa? Eu é que não tenho um CV relevante, eu é que não falo em processos comunicacionais, e Vocês os Iluminados, os que decidem quem tem acesso a bolsas ou não, não sabem fazer uma simples média para saber que era impossível eu chegar alguma vez aos tais 4,12 valores.

 

Já nada espanta neste país, mas quando dois professores meus me dizem concorre pois não perdes nada, mas nunca te atribuirão bolsas, pois as mesmas vão para os amigos... Eu não sendo de nenhum partido político, não tendo conhecimentos(Factor C) nem amigos nesses patamares onde vocês iluminados andam, pois sou um simples filho de pescador e de uma empregada doméstica (com muito orgulho), ainda acreditava inocentemente, que algum organismo poderia não estar viciado, para os amiguinhos, para os filhos dos papás, para os "Jotas" mas enfim... Erro meu...

Este texto é uma simples reflexão sobre a temática em questão e como o "sistema" encontra-se, completamente viciado, e sinceramente entreguem as bolsas aos amigos, aos amigos dos amigos, pois nunca precisei de ninguém para tirar os meus diplomas e tenho orgulho em os ter sem qualquer tipo de favor, ao contrário de muitos que estão onde estão não por mérito mas sim por favores e CV relevantes...

Terminando, pois já perdi tempo a mais com este texto e tenho uma revisão de literatura para fazer, pouco relevante ou não... Irei enviar este mesmo texto de uma pessoa limitada para todos os órgãos de comunicação social para perceberem a imparcialidade e justiça da V/ atribuição de bolsas.

Um bem haja para os CVs não relevantes.

CSJ

 


Caxinas

por Narciso Santos, em 21.12.16

Esta vai para todos aquelas bestas que pensam que as Caxinas é um local onde todo o mundo se insulta, um local de arruaceiros e de pessoas mal-educadas e bêbados e drogados, A dias vi uma reportagem na TV acerca da minha querida terra, e acreditem que não existe terra nenhuma no mundo onde eu prefira estar do que na minha, saber o que é sentir o mar e o seu cheiro todos os dias que saio a rua, sentir-me orgulhoso do meu povo, porque acreditem que quando conquistam um caxineiro têm um amigo para toda a vida, por isso para aqueles que fizeram a reportagem e nos colocaram como um bando de pescadores, drogados e bêbados e porque não conhecem nem fizeram o seu trabalho de casa bem feito, isto vindo de uma pessoa que pertence a uma família de pescadores e a qual tem orgulho, porque esta mesma família são os meus ídolos porque tudo o que fui, sou e serei deve-se a eles e a comunidade onde estou inserido, e acreditem que é extremamente fantástico ir a um sábado de manha ao cais e conviver com aquelas pessoas humildes e singelas e ouvir as suas histórias de vida, estar com o meu pai e com os seus camaradas pescadores e ter o privilégio de os ouvir, ouvir o que eles passam no mar e saber que não e fácil.

Permitam-me que dirija umas palavras acerca da "Raça Caxineira", acerca da família Caxineira. Caxinas é um lugar pertencente a Vila do Conde, não é um bairro piscatório como muitas vezes aparece noticiado nos órgãos de comunicação social. Os Caxineiros são Vila-condenses de 1ª, como são os de outros lugares da cidade de Vila do Conde. Não queremos ser tratados como especiais, mas também não somos coitadinhos como muitas vezes parecem querer dizer... Os Caxineiros são pessoas de trabalho árduo, labutam na vida do mar horas a fio, (15,16 18 horas dia), por de trás do aspecto áspero, de um falar duro e rude encontra-se um homem amigo, fiel aos seus amigos, e muito dado a sacrifícios. Numa tese uma professora apresentava o homem das Caxinas como um "Homem de ferro em barcos de pau", nem mais. Os Caxineiros raramente viram a cara á luta, são pessoas capazes de morrer a trabalhar como a história tem ensinado ao longo dos anos. O Homem do mar merece-nos respeito! Uma palavra também às Mulheres das Caxinas. Muitas das vezes obrigadas pela própria vida a fazerem de pai e mãe ao mesmo tempo, como diz o ditado. "Por de trás de um grande homem está uma grande mulher", A todas as mulheres Caxineiras um bem-haja! Os Caxineiros são pessoas de fé, cultivam a fé na sua simplicidade, bairristas na doação aos seus e aos outros. Temos problemas como as outras terras têm também

Nas Caxinas conta-se uma história particular. Neste lugar, zona de pesca e de mar, de rijeza e de humildade, há um povo que lutou pela sobrevivência a bordo de um barco.

Nas Caxinas ouve-se o riso e vê-se a cor. Por todo o lado, apesar das gentes sempre vestidas de preto. Não há família caxineira que não tenha perdido alguém no mar.

Nas Caxinas vive-se com emoção. Com orgulho nas raízes. Com a coragem e a revolta dos dias vividos no limite do medo.  Com um dialecto que é único.  São “estátuas de bronze a andar”, os Caxineiros da poesia de José Régio.  Não se sabe a origem da palavra. Poderá vir do latim “cachinare”, que significa rir às gargalhadas.

Nas Caxinas vive-se em casas de azulejos alegres, com peixe a secar nas cordas a meias com a roupa preta. Faz-se do passeio público um quintal. Passa-se a velhice entre as memórias, as agulhas de tricot, o baralho de cartas e a conversa com quem passa.

A minha Honra, a minha Homenagem aos Homens e Mulheres da minha Terra as Caxinas!

CSJ

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Favoritos