Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

http://cisosemjuizo.blogs.sapo.pt

"Louco? Loucos são os Loucos que me chamam Louco mas que não conseguem ver a genialidade da minha Loucura!"

http://cisosemjuizo.blogs.sapo.pt

"Louco? Loucos são os Loucos que me chamam Louco mas que não conseguem ver a genialidade da minha Loucura!"

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

O Raio da Banheira!

por Narciso Santos, em 19.12.16

 

Levantei-me de manhã com a merda do despertador a tocar Tony Carreira (sempre quis colocar o nome do Tony num texto e eis que surge a oportunidade) junto aos meus ouvidos ... Penso logo que o dia irá correr bem, pois o “menino naquela aldeia”  era o Tony e agora ele enche o Meo Arena e o Olimpià … Boa Maneira de ver um menino que se tornou num ícone em Portugal.

Mas… afinal não foi bem como tinha esperado…

A questão é que, no momento em que, desesperado, tento calar o despertador, bato com a cabeça na mesa-de-cabeceira de tão enorme choque sonoro matinal, digo uns quantos palavrões, solto um grito de dor e no meio de um berro agarro-me á parte detrás da nuca enquanto deslizo mais uma vez para a almofada. Contorço-me com dores agudas. Bom dia!

Estou de pé... desta vez escolho eu a musica enquanto me preparo para o duche. Hummm... "O-Zone" que seja. Pouco conhecedor da língua Moldava (Dragostea Din Tei) mas aqueles instrumentais, a língua que não entendo são a força de que preciso para agarrar nos boxers e nas meias e dirigir-me sem frete á casa de banho. Estou dotado de uma banheira que é objecto do qual não usufruo á cerca de 5 ou 6 anos. Maravilha!

Então slippers down, esquentador aceso, música ligada e sem tapete anti derrapante dou dez mortais no ar e escorrego na bendita banheira. Algo que me fez lembrar os Jogos Olímpicos de inverno pois balancei umas três vezes nas paredes brancas que beijei de perto... Olha... um fiozinho de sangue a sujar a cor da cal.

Ok... um dente solto, shampoo no olho que arde incessantemente e lhe atribui uma cor avermelhada faz-me ver mal enquanto me limpo com a toalha do bidé. Grrr!

Damn... isto hoje não está a correr bem. Pequeno almoço. Tenho uma carcaça já de á dois dias que tenho de torrar. Sabem que convém um minuto senão fica queimadita... e ficou mesmo. Estou a atrasar-me portanto lá vai ela, preta, pela goela abaixo enquanto dou um golo no leite que me faz engasgar e tossir desalmadamente, dando a mesma cor vermelha ao olho que faltava. Merda.

Corre Ciso (tipo Run Bitch…Run), corre!

Note-se que o gasóleo está nas últimas o que me fez aguardar por um comboio que só por si estava atrasado. Realmente lamento o fumo que fiz na noite de ontem pois só dentro do comboio na presença dos nossos amigos pica-bilhetes me pude recordar que era necessária a compra de um bilhete. Mais uma vez Run Bitch Run!

Vestido Estilo Hip-hop? Humm.. há quem não suporte... portanto no meio da correria entre carruagens, existe uma senhora muito simpática que ao aperceber-se da azáfama que circundava, decide esticar a sua gentil bengala para que o "branco que quer ser preto" pare. Okkkk... Desço na estação a seguir. Deixei-me conformado pois até podia ter corrido pior. Já de certeza que chego atrasado ao emprego portanto, até queria avisar do sucedido pela pessoa respeitosa que sou, mas... Um telemóvel sem saldo não resulta... uma conta bancária a zeros pouco ajudaria. Estou fodido.. pronto... basicamente é isso!

Hoje não é dia para se trabalhar... Estou de cabeça cheia e se é para vir o mal então que venha tudo de uma vez - grito eu para os céus - enquanto sou observado por algumas raparigas que pensam que devo ter faltado á hora marcada dos comprimidos. Estranhamente, eu ateu, recebo uma resposta instantânea dessa entidade superior que paira sobre as nossas cabeças chamado, não Deus, mas pombo (já me fazia lembrar a musica das Mamonas Assassinas “As Pombas quando avoam por incrível que pareça, ficam sobrevoando com seus cus amirando as nossas cabeças, daí vem a rajada de sua bazuca anal, já tem pomba com mira a lazer o tiro sai sempre fatal”). Roupinha lavada que de repente ganha um novo tom de cinzento com uma mega cagadela. Se eu estou a ter um mau dia, imagino pelo tamanho do “poio”, o mau dia que aquele pombo estava a ter e o alívio que teve pós-bombardeamento. Epá isto é que não... podia ser qualquer outra coisa... mas isto? Porquê?

Vá... o Miúdo aqui está em ponto de ebulição mas anda sempre com os lençinhos e até nem seria nada demais se não fossem as três meninas por sinal bastante giras, a rirem-se como se não houvesse um amanhã, e apontando para mim... Esboço um sorriso cínico e como é normal em mim opto sempre por me calar e esticar apenas o dedo do meio... Acho que seria o suficiente. Mas houve uma delas que não achou tão engraçado assim e resolve pedir-me satisfações, perguntando se me doía alguma coisa. Depois de a chamar pelo nome que tão bem lhe assenta, houve uma resposta física por parte dela, antecedida de uma preparação comum aos lutadores de Taekwondo. Oh Hell o resto mais vale ficar no segredo dos deuses... Não mereço... nem as amigas mereciam tantas lágrimas de riso depois desta Shena princesa guerreira sacudir as mãos. Estou estendido perguntando a mim próprio que mal fiz... não encontro respostas... É só um dia mau...

Na mesma estou de pé vagueando pela cidade que me assombra com as cores do concreto e com os abutres atacantes de cocós a voarem-me por cima.

Paro de frente á montra de uma loja de electrodomésticos e uma Televisão para o exterior, mostra excertos do telejornal desse dia fatídico. Nos momentos em que estive em transe vi atentados de bombas, vi crianças morrendo de fome, violações, assaltos resultantes em mortes, acidentes de trabalho, desastres de condutores embriagados e pude reparar que no fundo... eu nem sequer estava a ter um mau dia. Estava a ter uma oportunidade de mostrar a quem lesse este texto, que, por vezes, apesar de tudo parecer correr mal, existirá sempre quem está pior, e o nascer de um dia não passa de mais uma oportunidade que nos dão de mudarmos quem está pior que nós ou de nos mudarmos a nós próprios. Quando te sentes sozinho, há quem esteja sozinho também, e quando tens medo, há quem tenha mais que tu.

Por isso se somos diferentes, apenas o somos porque nos diferenciamos, a força para o dia seguinte reside aí... é que a meu ver... seja em que parte do mundo fosse... se eu voasse... aquele pombo ia ser massacrado!

Sem brincadeiras... a força para se continuar está nos que são mais fracos que nós e na intenção de os ajudar-mos para que o nosso dia possa correr bem... Não são acasos do destino como um tropeçar de uma banheira que moem... O que faz mossa é muitos não terem uma banheira onde caírem!

CSJ

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D

Favoritos